Highlights da videoconferência com o Infectologista Dr. Aloísio Bemvindo

Highlights da videoconferência com o Infectologista Dr. Aloísio Bemvindo

Highlights da videoconferência com o Infectologista Dr. Aloísio Bemvindo

Autor: Dr. Everton Ferreira

Na memorável tarde do dia 23 de junho de 2020, a equipe de saúde do município de Dores de Guanhães participou de uma importante reunião virtual com o médico infectologista e intensivista Dr. Aloísio Bemvindo. Como clínico e infectologista, Dr. Bemvindo soma 50 anos de atuação na carreira médica, acumulou diversos títulos ao longo de sua prática clínica, e como expoente na terapia intensiva, após sua especialização no Instituto de Infectologia Emílio Ribas em São Paulo e Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (HC-USP), mudou-se para Ipatinga em meados da década de 80 para implantação da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Márcio Cunha/FSFX, onde reside até os dias atuais. Escritor e autor de alguns exemplares, já esteve em diversas entrevistas, até mesmo no antigo “Programa do Jô”.

Fruto de interlocuções, a Secretária de Saúde Deise de Carvalho Alvarenga juntamente com o Dr. Everton Ferreira de Souza, viabilizaram essa reunião para toda a equipe de saúde por videoconferência. Dr. Bemvindo iniciou contextualizando que o coronavirus causador da atual pandemia, pertence a uma família de vírus já bastante conhecida pelos especialistas. Em 2002-2003 outro coronavirus causou uma epidemia na Ásia e parte da Europa, qual ficou conhecida como Sars-Cov; já em 2012-2013 outra vez o coronavirus causa nova epidemia, dessa vez a maior parte dos casos no oriente médio, ficando conhecida como Mers-Cov. E apontou a principal diferença do atual coronavirus ser a alta transmissibilidade e infectividade, a exemplo o recente estudo publicado pela UFMG em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) onde em 25 saídas de rede de esgoto em BH, em 100% delas testou positivo para o novo coronavirus. A dúvida que fica é se nestas amostras de rede de esgoto o vírus preservaria seu envelope lipídico necessário para causar infecção em hospedeiros. Se assim for, dada a carência em saneamento básico em nossas comunidades, isso tornaria tal epidemia fora de controle aqui no Brasil.

Outro ponto amplamente discutido pelo Dr. Bemvindo foi o emprego da corticoterapia nas fases precoces da doença, especificamente na fase 2, onde as provas inflamatórias a partir do 3º a 5º dia da doença se elevam, como a ferritina, PCR e dímero D. Nos grandes centros no Brasil isso já se faz conduta hospitalar com o emprego da metilprednisolona intravenosa. Recentemente a OMS – Organização Mundial de Saúde, após publicação de um estudo feito na Inglaterra, recomendou tal conduta. Isso mostra o pioneirismo dos especialistas brasileiros no tratamento da covid19. Sobre o protocolo em si na conduta dos pacientes doentes, defendeu o uso da hidroxicloroquina desde que seja na fase precoce da doença e descartado as doenças cardíacas. A meu ver, o resultado principal desta reunião foi a explicação de um protocolo de tratamento da covid19, por parte de um especialista com ampla experiência no uso de tais medicações. A partir daí, a equipe de saúde do município de Dores de Guanhães ganha mais experiência para a elaboração de protocolo de tratamento da covid19.

Por fim, o último tema abordado foi a testagem dos pacientes e a possível soroconversão, conferindo imunidade para os pacientes que tiveram contato com o coronavirus, Dr. Bemvindo foi categórico ao afirmar que ainda não temos estudos para afirmar aquisição de imunidade nestes pacientes e qual seria a duração disto. Tal tema é uma incógnita, dentre tantas outras que envolvem a covid19. Sobre as vacinas, afirmou que há ao menos 144 estudos com registro na OMS sendo desenvolvidos mundo afora para descoberta de vacina, e o estudo da universidade de Oxford na Inglaterra seria um dos mais promissores no presente momento.

Ressalto o apoio e parceria da equipe de informática – Rafael, Lucas e Rosilei, para viabilizar essa videoconferência e apesar de todos os desafios, na preparação ou durante a reunião, obtivemos sucesso, e já planejamos novas reuniões com outros profissionais que estão na linha de frente no enfrentamento da covid19. E sem dúvidas, tal feito será um marco na saúde dorense.