MORCEGOS ATACAM REBANHO DE GADO E PODEM TRANSMITIR RAIVA

MORCEGOS ATACAM REBANHO DE GADO E PODEM TRANSMITIR RAIVA

DORES DE GUANHÃES ENFRENTA MORCEGOS HEMATÓFAGOS QUE TRANSMITEM A RAIVA E SEU PRINCIPAL FOCO É O GADO.

O Serviço de Vigilância Epidemiologia de Dores de Guanhães vem orientar a população no sentido de que esse morcego é muito perigoso e tem registro de mortes de gado no Município, na comunidade da Ressaca, em três fazendas.

Os Agentes de Endemias já começaram a avaliar a periculosidade dos mamíferos e já estão no controle desses animais. Os animais se alimentam de sangue, tem hábitos noturnos e se escondem em antigas larvas de pedra, grutas e tocas escuras. Eles atacam rebanhos de gado e criações de porcos e cavalos, e os produtores temem a transmissão da raiva pelos morcegos.

Um foco de morcegos hematófagos foi descoberto no interior de grutas e tocas na Comunidade da Ressaca, distante cerca de vinte quilômetros do centro da cidade. O proprietário da área informou ao Serviço de Vigilância Epidemiológica de Dores, que já perdeu cerca de quatro bois, atacados pelos Morcegos.

Os animais medem cerca de 10 centímetros e pesam no máximo 200 gramas. Apesar do pouco tamanho, se um deles estiver contaminado com o vírus da raiva, um rebanho inteiro pode ser perdido. Segundo Valério Alves Mota e Paulo Roberto Ribeiro, responsáveis pela área de Endemias, esta espécie de morcegos se alimenta exclusivamente de sangue e tem hábitos noturnos. Eles saem à noite para procurar alimento e as presas são sempre animais vertebrados. “Eles atacam geralmente no pescoço, que é um local de difícil defesa para esses animais” – explica Valério.

Os morcegos hematófagos são totalmente cegos, e se locomovem por radar. Os sensores térmicos que eles possuem nas narinas facilitam a localização de uma veia próxima da pele da vítima e os dentes incisivos fazem um rápido corte.

Uma refeição completa pode levar até 20 minutos de sugação. Um anestésico na saliva dos morcegos reduz a probabilidade de a vítima sentir alguma irritação com a mordida inicial, percebendo o ataque só após alguns minutos.

De acordo com Paulo Roberto, os morcegos atacam em uma região de até 15 quilômetros e que já recebeu denúncias de mordeduras em animais na região pertencente ao Município de Senhora do Porto, mas já está fazendo contato com a equipe daquele Município a fim de fazer um trabalho em conjunto.

“A partir de agora, várias medidas serão tomadas, para controle e preservação da espécie” – afirma Valério.

O segundo passo será levar um dos morcegos capturados a um laboratório especializado, para que seja comprovada ou não a existência do vírus da raiva no animal. Os Agentes acreditam que haja, pois, no caso dos animais atacados terem sido contaminados e morrido, já que a raiva mata bovinos, por exemplo, em cerca de 20 dias.

Depois disso, o grande desafio do serviço de Endemias será o controle dos morcegos. Segundo Paulo Roberto, em Dores existem vários focos, mas nem todos são sanguinários e todos são monitorados e controlados pelo serviço citado, a fim de que não prejudiquem produtores.

Em caso de presença desses morcegos, contate o Serviço de Epidemiologia no número: 33 3426 1249 ou 33 988278294